Com pirão, estética e território: o modernismo do Recife

Nos anos 1920, Gilberto Freyre sugere um monumento ao pirão para expor um contato direto com um símbolo de identidade, e com isso confrontar os limites da arte que, à época, era apenas para apreciação. Ele inclui o cotidiano como…