O Ekó Ogi da Nigéria e o Acaçá branco da Bahia

Sem dúvida, são muitas as relações entre o continente africano e as nossas cozinhas regionais, e estas relações estão confirmadas nos usos de ingredientes, técnicas culinárias e, em especial, receitas da alimentação cotidiana e das festas, tanto em âmbito social…

O amalá nigeriano e o amalá baiano

As relações entre as comidas do continente africano e da Bahia são muitas, e a partir destas relações nascem cardápios que legitimam um encontro entre dois povos. Ainda, há os estilos de se comer à africana na Bahia que marcam…

Do xinxim nigeriano ao xinxim afro-baiano

As relações entre a Nigéria e a Bahia, desde as técnicas e os processos culinários até as receitas e as interpretações de ingredientes, fazem uma aproximação entre esses povos que foi feita durante o longo caminho da diáspora do continente…

Do nosso pirão ao ebá nigeriano

Nacional e telúrica, é a nossa mandioca, que é muito consumida na forma de goma, de massa puba; de farinha seca ou farinha de guerra, entre tantas outras formas, nomes, texturas, cores e sabores. Para diferentes receitas, como, por exemplo,…

Do àkarà nigeriano ao acarajé baiano

Sem dúvida, a comida não é apenas para ser comida. A comida é um amplo e complexo processo de simbolizações, de referências; e de construções ideológicas daquilo que é nacional ou regional; e ainda expõe as muitas idealizações sobre as…

Mineiridades à mesa

Trago das minhas memórias de criança uma família de mineiros, uma família de negros das Gerais, vizinha a nossa casa no Rio de Janeiro. E destas memórias trago, com destaque, para uma senhora chamada de “dona Neném”. Mãe de família…

O Menino-Jesus e a geleia de araçá

O brasileiro tem uma longa e complexa relação com o que é sagrado. E, sem dúvida, há um entendimento de sagrado que é múltiplo e diverso, e que mostra as relações de um povo de base cristã, com um catolicismo…

Voltar ao topo